quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Para não dizer que não falei cantando

Às vezes, gosto de sentar e escrever versos:
versos de reminiscências, versos de dores a descobrir.
O poeta escreve para não morrer
ou, por medo de morrer, escreve o que é
ou sobre o que foi ou jamais virá a ser,
sempre... sempre sob o cunho do medo.
Pensei no maestro do Brasil e,
“jobiniando”, em sua deep bossa,
vi recortes de mim na carta ao Tom 74.
Nunca fui mulher de sol, “garota de Ipanema”.
Sou daquelas que, de madrugada, levanta como Adélia,
com sede, falando de amor e pesadelos,
repleta de uma humanidade grávida de sensações, quase “wave”,
compelida a ser um vaso.

O poeta guarda sempre uma pequena ferida,
uma insensatez no dizer das palavras em flor
abertas ... ou fechadas em fendas de luz, suores ou matizes.
Vejo, daqui, desta janela-poema, o paralítico Corcovado!
A lembrança, de meu pai e do passado, ressoa como os sinos das igrejinhas,
como as sirenes dos navios e das barcaças... gargalhadas que não voltam mais!
Mas... “chega de saudade!”, grita meu coração.
O samba da vida é samba de uma nota só.

Oh, Deus! Queria poder guardar os teus rebanhos, mas o tempo...
o tempo sucumbe.

Jacqueline Barros - Niterói, 29 de outubro de 2007.

9 comentários:

  1. As suas palavras são como vozes que se humanizam no sentido de transpor obstáculos e minimizar as distâncias...
    A sua sabedoria me serve de incentivo a cada dia para eu continuar acreditando no milagre da linguagem...
    Você é e sempre será um exemplo a ser seguido!
    Você estará sempre em meu coração!

    ResponderExcluir
  2. olá passei por aqui!!!! um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi JB.
    Estimulado pela camarada Celso, vim conhecer o teu espaço. Ganhaste mais um leitor fiel e atento. Gostei muito dos teus escritos, do discernimento, da poesia e da elegância de estilo.
    Bem-vinda ao universo virtual.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Aleluia!
    Mermão Celso indicou e eu vim conferir o blog da companheira.
    Também sou cultor de poesias e as faço de quando em vez.
    Teus medos não são preocupantes, viva-os com plenitude.
    Eu continuarei te seguindo doravante.

    ResponderExcluir
  5. Mocinhaaaaaaa...Que bom ter notícias suas. Obrigado por compartilhar o link do seu Blog e que, por sinal, está maravilhoso!!!

    Como tá o filhão???

    Saudades!!

    Bjs e sucessos!!!

    Edson Carvalho

    ResponderExcluir
  6. Olá Jacqueline.
    Cheguei aqui através do Celso.
    Gostei do seu blogue, aliás os seus escritos parecem-me em sintonia com os do Celso, é fácil imaginá-los como casal, aliás nunca tinha visto isso antes.

    Uma óptima semana!

    ResponderExcluir
  7. Oie...
    Aos poucos, te leio...
    Parabens pelo espaço. Seja bem vinda!
    Muita paz! Beijosssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Muito legal esse! Muitas referências aos clássicos da Bossa Nova...

    ResponderExcluir
  9. Tia...

    Somente hoje fui ver o seu blog. Estou entrando agora nesse "mundo". Fiquei maravilhado! Estou me interessando mais por poesia esse ano. E parece que quanto mais me interesso mais coisa interessante aparece. Parabéns pelo blog. Você tem um jeito diferente de escrever. Gostei muito!

    beijos

    ResponderExcluir